EU NASCI PARA AGRADAR A DEUS

Série: Vivendo Com Propósito

Propósito n.°1 – Planejado Para Agradar a Deus – Parte 3

Revisão: Estamos estudando sobre como viver uma vida com propósitos. Na primeira lição nos deparamos com a pergunta ‘o que dirige sua vida?’ onde fomos desafiados a sermos dirigidos pelos propósitos de Deus, nosso criador. Na segunda lição começamos a estudar sobre o primeiro propósito da vida: agradar a Deus. Aprendemos que a Bíblia chama isso de Adoração. Vimos que o primeiro fundamento de uma vida de adoração é a rendição completa ao senhorio de Jesus, e essa rendição só é possível através de um obediência incondicional e confiança absoluta em Deus. Em seguida vimos o segundo fundamento: ‘o relacionamento contínuo com Deus’. Hoje vamos encerrar o primeiro propósito falando de outros dois fundamentos da vida de adoração: A sinceridade e a santidade.

Terceiro Fundamento: A Sinceridade

Está chegando a hora, e de fato já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade. São estes os adoradores que o Pai procura. (João 4:23)

Neste texto uma mulher samaritana perguntou a Jesus sobre o melhor momento, lugar e forma de adorar. Jesus respondeu que essas questões externas não tinham importância. A questão não é ‘onde’ ou ‘quando’, mas ‘como’ você adora. Onde você adora não é tão importante quanto por que você adora e o quanto de si mesmo você oferece a Deus quando adora.

Jesus também disse “Ame o SENHOR, O seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma, de todo o seu entendimento e de todas as suas forças. (Marcos 12.30). Deus quer você por inteiro, não quer apenas uma parte de sua vida, ou uma obediência parcial, ou sobras de seu tempo, ou parte dos seus recursos. Ele deseja sua total devoção, e não migalhas de sua vida.

A Bíblia diz em Hebreus 12:28 “Portanto, já que estamos recebendo um Reino inabalável, sejamos agradecidos e, assim, adoremos a Deus de modo aceitável, com reverência e temor!” Perceba a expressão adoremos a Deus de modo aceitável. Ela quer dizer que existe a forma certa e a forma errada de adorar.  Devemos adorar a Deus de forma que o agrade. Jesus estava explicando à mulher samaritana que Deus se agrada quando nossa adoração é verdadeira e sincera.

          Quando Jesus disse “Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a sua alma”, Ele queria dizer que a adoração deveria ser genuína e sincera. Não é apenas uma questão de utilizar as palavras corretas; mas dizer coisas que realmente tenham um significado pra você. A adoração sem significado não vale nada para Deus. Quando adoramos, Deus olha para além de nossas palavras para ver a postura de nossos corações. “O homem vê a aparência, mas o SENHOR vê o coração!” (1Sm 16:7).

Deus odeia a hipocrisia. Ele não quer exibicionismo, fingimento ou falsidade na adoração. Ele deseja o seu amor sincero e verdadeiro. A verdadeira adoração acontece quando seu coração responde a Deus.

Se a sua adoração for mecânica, não significará nada. Você deve envolver a sua mente. Jesus chamou as orações indiferentes de vãs repetições. Até mesmo termos bíblicos podem se tornar expressões banalizadas pelo uso exagerado, quando deixamos de pensar no significado. Gostaria de sugerir que frequentemente você tente louvar a Deus sem utilizar as jargões como “eu te louvo”, “aleluia”, “obrigado” ou “amém”. Em vez disso tente dizer coisas do seu coração, usando palavras como “admirar”, “respeitar”, “valorizar”, “venerar”, “honrar” e “apreciar”, etc. Isso pode te ajudar a ser mais espontâneo e sua mente vai estar envolvida ativamente no significado das palavras.

Terceiro Fundamento Santidade

Ofereçam os seu corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus; este é o culto racional de vocês (Rm 12:1).

Muitas formas de adoração cerimonial (culto) são mencionadas na Bíblia, entre elas, confessar, cantar, postar-se em honra, ajoelhar-se, dançar, fazer ruídos de alegria, testificar, tocar instrumentos musicais e erguer as mãos. Tudo isso são ferramentas de adoração que usamos nos momentos de culto, mas não é toda forma de adoração que existe. Na verdade, a adoração mais profunda é aquela que oferecemos a Deus no dia a dia, quando fazemos tudo com o desejo de agradar a Deus. A Bíblia chama isso de culto diário ou culto racional. Eu gosto de chamar isso de adoração prática.

 

Mas por que Deus quer o seu corpo? Por que ele não diz: “Apresentai os vossos espíritos”? Porque sem o corpo você não pode fazer nada neste planeta. Paulo está apenas sendo prático a respeito da adoração. Você já ouviu pessoas dizerem: “Não poderei estar na reunião desta noite, mas estarei com vocês em espírito”. Você sabe o que isso significa? Nada. Isso é inútil! Enquanto você estiver na terra, seu espírito só poderá estar onde seu corpo estiver. Se seu corpo não está lá, você também não está. A adoração prática do dia a dia, fora da liturgia dos nossos cultos, é “oferecer nossos corpos como sacrifício vivo”.

Deus quer que você viva por ele! Matt Redman, um líder de adoração na Inglaterra, conta como o seu pastor ensinou à igreja o verdadeiro significado da adoração. Para mostrar que adoração é mais do que música, ele proibiu todos os cânticos por um período de tempo, até que eles aprenderam a adorar de outras maneiras. Ao fim daquele período, Matt escreveu a clássica canção Heart of Worship, conhecida no Brasil como a Essencia da adoração, interpretada por David Quinlan. A letra desta canção diz: “Mais que uma canção eu te darei, pois apenas uma canção não é o que queres de mim. Mais profundo buscas, Senhor, do que os olhos podem ver. Queres meu coração.”

A melhor forma de adoração é aquela representa o seu amor por Deus na sua vida diária; quando você usa tudo o que Deus te deu para agradá-lo. Veja algumas formas bíblicas de adoração que podem fazer parte do seu sacrifício diário: estudar, cantar, ler, meditar, dançar, criar obras de arte, servir as outras pessoas, ser solidário, ofertar, trabalhar, confrontar o mal, combater a injustiça, suprir necessidades, servir na igreja, servir sua comunidade, etc. Na verdade, todas essas coisas são apenas ferramentas de adoração; nenhuma delas é adoração em si mesma. O que faz com que elas se tornem adoração é o que você faz delas. Tudo isso pode ser adoração se for feito com o desejo sincero de agradar a Deus. Porém, tudo pode não passar de esforço inútil se a motivação por traz dessas coisas não for dar prazer a Deus.

Conclusão: Eu não sei qual a sua forma de adorar, mas uma coisa é certa: você não glorifica a Deus tentando ser alguém que ele nunca quis que você fosse. A dica é que você use todo o seu potencial (dons, habilidades, oportunidades, recursos, emoções, mente, especialidades) para a glória de Deus. Este é o tipo de adoração que Deus está procurando. A chave da adoração é uma questão de coração.

Um tema para discussão e reflexão: Deus me quer por inteiro.

Perguntas para refletir

  • Será que tenho adorado a Deus com sinceridade ou tenho apenas dito frases decoradas sem prestar atenção no significado?
  • Como posso usar as minhas habilidades para adorar a Deus no meu dia a dia?
  • Será que posso adorar a Deus com meu trabalho? Como posso fazer isso?

Um versículo para memorizar: Amá-lo de todo o coração, de todo o entendimento e de todas as forças, e amar ao próximo como a si mesmo é mais importante do que todos os sacrifícios e ofertas (Marcos 12.33).

 

Publicar um comentário